Arquivo de etiquetas: LEHDA

Por que um simpósio de pesquisa em alimentação?

Mercado dos caipiras, em São Paulo, c. 1910. Fotografia de Vincenzo Pastore (Acervo Instituto Moreira Salles)

Até o início do século XX, a temática da alimentação quase sempre entrou no foco de estudiosos e pesquisadores pelo ponto de vista médico e biológico ou mesmo naturalista. Foi a partir de então, em paralelo com a gradual ampliação da abrangência e da interdisciplinaridade dos estudos históricos promovida pela Escola dos Annales (e, posteriormente, consolidada pela chamada Nova História), que a alimentação passou a gerar mais interesse entre historiadores.

As gerações de Lucien Febvre e, já nos anos 1960, de Fernand Braudel podem ser consideradas as principais responsáveis pelo impulso para a formação de uma tradição historiográfica com base nessa temática, que se tornou premente com a publicação de Civilisation matérielle, économie et capitalisme em 1967. Foi nesta obra que Braudel identificou duas possíveis dimensões da economia, a de mercado e a da vida material, relacionando esta última a hábitos e práticas que envolveriam aspectos necessários para a sobrevivência e a reprodução humana, como a habitação, o vestuário e a alimentação. As transformações alimentares, como parte das estruturas da vida cotidiana, estariam inseridas em um tempo de longa duração, ocorrendo lentamente e de maneira praticamente imperceptível dentro da sociedade de que fazem parte.

Desde que passou a ser tratada como possível objeto de estudo, a alimentação vem ganhando espaço entre os trabalhos acadêmicos desenvolvidos no campo da História – e a realização de encontros acadêmicos sobre a temática comprovam esse crescente interesse. Já em 1979, o St. Anthony’s College, da Universidade de Oxford, na Inglaterra, promoveu uma série de seminários relacionados à alimentação a partir da perspectiva histórica, em uma ação que evoluiu para a criação de um pioneiro simpósio internacional, o Oxford Food Symposium, realizado anualmente até os dias de hoje. Embora tenha surgido de uma proposta calcada na disciplina histórica, o simpósio britânico congrega, desde o início, diversas áreas de estudo, expressando uma característica que parece inerente à chamada História da Alimentação: a contiguidade teórica e metodológica com outras disciplinas, como a Sociologia e a Antropologia e mesmo a Nutrição.

O viés interdisciplinar também está no cerne da programação de outros encontros internacionais relacionados ao tema, que, desde a versão britânica, começaram a surgir em diferentes localidades sobretudo no início do século XXI. Entre os mais relevantes estão a Conférence Internationale d’Histoire et des Cultures de l’Alimentation, organizada anualmente pelo L’Institut Européen d’Histoire de l’Alimentation, criado em 2001 na cidade de Tours, na França (e, atualmente, um dos principais centros de estudos históricos da alimentação do mundo, comandado pelo historiador francês Bruno Laurioux); o também anual e mais recente Amsterdam Symposium on the History of Food, realizado desde 2014 na Universiteit van Amsterdam, na Holanda, que tem entre seus fundadores o historiador Peter Scholliers; e a conferência anual da Association for the Study of Food and Society, nos Estados Unidos, que, desde sua fundação em 1987, não se restringiu à História, preferindo se concentrar na formação de uma disciplina à parte, essencialmente interdisciplinar, que ficaria conhecida como “food studies”. Em crescente consolidação, esta vertente acadêmica tem ensejado cursos específicos de pós-graduação estrangeiros, ligados às Ciências Humanas, mas com ampla abrangência, que vai da problemática dos sistemas agrícolas e da sustentabilidade ambiental às dietas contemporâneas e também aos estudos históricos sobre a alimentação.

No Brasil, os “food studies” e mesmo os estudos mais específicos de História da Alimentação têm se desenvolvido no meio acadêmico de maneira menos veloz do que nos Estados Unidos e na Europa, embora também venham tomando impulso nas duas últimas décadas. Antes disso, aspectos relativos à área estiveram relegados a apêndices ou capítulos de trabalhos sobre a história do cotidiano ou do período colonial, ainda que mereçam menção os pioneiros estudos sociológicos de Gilberto Freyre acerca da participação da economia nordestina do açúcar – principalmente, pernambucana – na construção de hábitos alimentares e da identidade brasileira, além da extensa obra do folclorista potiguar Luís da Câmara Cascudo sobre o tema, em especial os dois volumes de História da alimentação no Brasil (1967-1968), em que analisou a formação dos sistemas culinários do país a partir da combinação culturas indígena, portuguesa e africana.

Entretanto, apesar dessas iniciativas, a História da Alimentação só começou a de fato se desenvolver no campo acadêmico brasileiro a partir dos anos 1990. Carlos Roberto Antunes dos Santos pode ser considerado uma referência inicial nesse movimento de expansão da área, ao comandar um grupo de pesquisa em história e cultura da alimentação a partir de 1993, na Universidade Federal do Paraná (UFPR). Santos publicou História da alimentação no Paraná em 1995 e o artigo “Por uma história da alimentação”, em que se refere à necessidade da multidisciplinaridade nos estudos da temática, na revista acadêmica História: questões & debates, da UFPR, em 1997.

Na Universidade de São Paulo, Henrique Soares Carneiro desenvolveu, na mesma década, suas pesquisas de mestrado e doutorado centradas na questão histórica do consumo de “drogas”, percebidas, a partir dele, além da conotação ideológica que, ao associá-las ao vício e à ilegalidade, as distingue dos “alimentos”. Para Carneiro, a complexa definição de “droga” deixa escapar, para o senso comum, que o termo também abrange substâncias modernamente reconhecíveis como alimento, a exemplo do café e do vinho. Assim, já em 1994, ele publicou o artigo “As drogas: objeto da Nova História” e, em 1997, ao lado do historiador e professor emérito da USP Ulpiano Bezerra de Meneses, o referencial “A história da alimentação: balizas historiográficas”.

A partir da iniciativa desses pesquisadores e outros, como Leila Mezan Algranti, da Unicamp, simpósios e congressos também começaram a incluir a temática em suas programações. Uma das primeiras mesas-redondas dedicadas à História da Alimentação foi organizada durante o encontro da Associação Nacional de História (ANPUH) em 2004, congregando pesquisadores como Carlos Roberto Antunes dos Santos (UFPR), Henrique Soares Carneiro (USP), Leila Mezan Algranti (Unicamp) e Denise Bernuzzi Sant’Anna (Pontifícia Universidade Católica de São Paulo). Daí em diante, o assunto vem ganhando gradual espaço em eventos e publicações científicas.

No mesmo ano de 2004, a revista Estudos Históricos da Fundação Getúlio Vargas lançou uma edição voltada especificamente para a alimentação, algo que também ocorreu no ano seguinte em dossiê publicado no periódico História: questões & debates da UFPR. Alguns anos mais tarde, proliferou uma sequência de dossiês voltados para a História da Alimentação publicados nos Cadernos Pagu, da Unicamp, em 2012, na Revista Helikon, da Pontifícia Universidade Católica do Paraná, em 2015, e na Varia Historia, da Universidade Federal de Minas Gerais, em 2016. De algumas dessas publicações ainda se desdobraram encontros de pesquisa. Em 2007, Carlos Roberto Antunes dos Santos promoveu na UFPR o primeiro “Colóquio História e Cultura da Alimentação” e, em 2012, o Instituto de Filosofia e Ciências Humanas da Unicamp, sob a coordenação da Profa. Dra. Leila Mezan Algranti, organizou o primeiro “Seminário Internacional Alimentação: história, gênero e cultura material”, que teve uma segunda edição em 2017.

Com base nesse cenário, é possível observar que, se nas décadas de 1990 e 2000 pontuaram ações – eventos e publicações – com o objetivo de introduzir a temática da alimentação como potencial objeto de estudo da História, o presente decênio parece marcar uma segunda fase desses esforços, com uma maior concentração de dossiês em publicações acadêmicas, como se viu, munidos da intenção de ampliar a discussão e as possibilidades de pesquisa relacionadas à área.

Em 2016, a criação do Laboratório de Estudos Históricos das Drogas e da Alimentação (LEHDA), na Universidade de São Paulo, veio se juntar a esse movimento. Coordenado por Henrique Soares Carneiro, com extensa produção acadêmica na temática, o laboratório surgiu com o objetivo de integrar pesquisadores e de desenvolver esse campo de estudos por meio da publicação da revista Ingesta (ISSN 2596-3147), lançada em março de 2019, e da organização de eventos acadêmicos.

A realização do II Simpósio Internacional de Pesquisa em Alimentação: circuitos de produção e consumo dará continuidade a essas iniciativas, abrindo e consolidando um espaço para o desenvolvimento dos estudos históricos da alimentação no Brasil e também em perspectiva internacional. As peculiaridades do país, como antiga colônia portuguesa nas Américas, marcada pelo uso da força de trabalho escrava indígena e africana, e também como república federativa de intensa industrialização e urbanização ao longo do século XX, possibilitam uma ampla gama de abordagens que, por meio da alimentação, desvelam aspectos da sociedade como um todo.

Reunir esses possíveis estudos para discussão em uma reunião científica colabora com a conformação de especificidades teóricas e metodológicas para a História da Alimentação e com o estímulo para novas pesquisas. Mais do que isso, a promoção de um simpósio como este contribui com discussões não apenas acadêmicas, mas também com preocupações da vida social contemporânea, antevistas na crescente atenção dada à alimentação em programas midiáticos, por exemplo, ou mesmo em ações políticas, como a atual flexibilização no comércio de agrotóxicos no país realizada pelo Ministério da Agricultura. Alinhado, portanto, a um assunto de interesse premente, o simpósio tem a importante incumbência de desenvolver o tema no meio científico.