Os eixos temáticos: produção e consumo

Página do caderno de receitas de Teodósia Ribeiro de Andrade, escrito a partir de 1911, em Franca, no interior de São Paulo (Acervo pessoal)

Em sua primeira edição, realizada em 7 de dezembro de 2018, o I Simpósio de Pesquisa em Alimentação abarcou as possibilidades metodológicas que o tema da alimentação vêm suscitando não apenas na área da História, mas também na Antropologia, na Sociologia, na Linguística, na Comunicação e no Turismo. Ainda que o tema central fosse a questão metodológica, esta se encontrava associada com a própria interdisciplinaridade da programação, que contou com palestrantes oriundos de diferentes perspectivas das Ciências Humanas.

Para a segunda edição, que terá âmbito internacional e programa mais abrangente, vamos dar ainda mais foco à problemática da interdisciplinaridade, que parece inerente aos estudos históricos relacionados à alimentação e que se entende não apenas como a articulação de teorias e metodologias provenientes de diferentes áreas, mas também como um recurso para a formação de conhecimentos que extrapolem as fronteiras temáticas de suas respectivas disciplinas, contribuindo, assim, para uma maior fluidez entre elas.

Será a “interdisciplinaridade”, portanto, a norteadora do simpósio. Ela será abordada por meio de discussões levantadas por duas relevantes vertentes de pesquisa em alimentação, tomadas como os dois principais eixos do simpósio: o sistema mundial e histórico de produção de alimentos e a cultura material em sua direta relação com a vida social.

O primeiro eixo, a que chamamos de “circuitos de produção“, deriva de estudos sobre as dinâmicas da produção agrícola e do escravismo nas colônias americanas e suas relações com o sistema econômico/capitalista global, ou sobre o abastecimento de alimentos nas cidades brasileiras no período anterior à industrialização, por exemplo, geralmente desenvolvidos pelo viés da História Econômica ou mesmo da Antropologia, como no caso do clássico estudo de Sidney Mintz, acerca da cana-de-açúcar. Somente mais recentemente é que o estreito vínculo desses estudos com a conformação de uma História da Alimentação vem se tornando claro. Na USP, algumas pesquisas realizadas por alunos vinculados ao Laboratório de Estudos Históricos do Brasil e do Sistema Mundial (Lab-Mundi) vêm firmando essa relação.

O segundo eixo temático, “circuitos de consumo”, associa-se aos estudos de cultura material na vida social, que têm se expandido na historiografia em diálogo com teorias da Sociologia e da Antropologia, em especial no que concerne às interações entre sujeito e objeto e ao enfoque dessa dinâmica por meio do conceito de “agenciamento”, que sugere uma relação não passiva, mas de ação e transformação entre eles. Essa abordagem, defendida de diferentes maneiras por antropólogos como Alfred Gell, Bruno Latour, Jean-Pierre Warnier e Daniel Miller, tem se desenvolvido no meio acadêmico brasileiro, sobretudo, por pesquisadores ligados a instituições como o Museu Paulista da USP.

Como se vê, os dois eixos temáticos que perpassam o simpósio se encontram em dialética relação: se os “circuitos de produção” se concentram em uma perspectiva macro voltada para os ciclos produtivos dos alimentos, sua circulação em escala global e questões como abastecimento, comércio e modelos regulatórios, os “circuitos de consumo”, da maneira como devem ser trabalhados no simpósio, privilegiam uma perspectiva micro, direcionada ao ambiente doméstico e às transformações sociais reverberadas no cotidiano e a partir dele, em íntima associação com questões de gênero, identidade, hábitos culinários e dietas alimentares.

Ambas as orientações se complementam e se imbricam, abrangendo toda a dinâmica dos ciclos alimentares. O apoio do Laboratório de Estudos sobre o Brasil e o Sistema Mundial (LabMundi-USP) e a parceria com o Museu Paulista (MP-USP) na organização e no corpo científico do simpósio enfatizam a importância e os nexos desses dois eixos fundamentais. A escolha do termo “circuitos” para descrevê-los reforça essa ideia ao compreender em um mesmo processo a produção, a circulação e o consumo não só de mercadorias e objetos, mas também de relações sociais, significados e mentalidades, que envolvem tanto o universo da alimentação quanto os objetivos específicos do evento, de incentivar a “circulação” interdisciplinar de ideias, métodos e abordagens, contribuindo para a constituição de um campo acadêmico de crescente importância no Brasil e no exterior.


1 thought on “Os eixos temáticos: produção e consumo

  1. Sabrina Arrais

    Prezadxs, gostaria de saber até quando será enviado o parecer do trabalho submetido ao evento.
    Grata pela atenção.

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.